• Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Artigos Qual é a importância dos pais disponibilizarem um tempo maior para seus filhos durante as férias escolares?

Qual é a importância dos pais disponibilizarem um tempo maior para seus filhos durante as férias escolares?

E-mail Imprimir
As férias escolares, principalmente as férias do mês de Julho, constituem uma pausa no ritmo acelerado de informações e conhecimentos  que nossas escolas detonam em seus currículos, a cada período letivo. Não nos cabe aqui apontar qual seria a metodologia  prazerosa e de construção do saber ,para uma escola motivadora, mas valorizar o aproveitamento do tempo, chamado de “trégua aos conteúdos e atividades oferecidas pela escola”
Sabemos que "o processo de aprendizagem desenvolve-se numa atmosfera que exaspera as dinâmicas emotivas--afetivas e (...)  é de fato necessário repará-la a tempo para a  futura inserção disciplinada no trabalho e na sociedade" (Biasutti).  Desta forma, a Família não só deve estar atenta  a, como a criança recebe esta dinâmica, mas acima de tudo , favorecer os momentos de lazer, nas férias escolares, para resignificação deste movimento de crescimento intelectual e, como afirma Wallon, de crescimento igualmente afetivo.
As férias escolares funciona como um tempo de descanso , de lazer , mas também de comunicação de  novas  experiências e de acompanhamento do crescimento. Para compreendermos a importância da Família neste momento de lazer,  precisamos citar Piaget , um grande educador, que nos fala sobre a tomada de consciência da criança como um ser individual que cresce com seu aprendizado  no convívio com o outro: “A consciência do eu individual é, pois, por um lado, um produto e uma condiçäo de cooperaçäo" (Piaget, 1932: 318-9).  Atribuímos  à condição de cooperação, a grande importância da relação com a Família, em  momentos prazerosos de lazer, de convívio afetivo, de troca de opiniões, de liberdade de pensamento, através  do lúdico  e do brincar; no espaço mágico da diversão, do brinquedo e do jogo, da imaginação e da estória, no livro ,no teatro, no cinema , nos museus; e nos espaços livres, do campo, da praia, do quintal , do pensamento, das idéias. ..
“Toda criança tem direito a Brincar”. (ECA)
Planejar os passeios, atender aos pedidos curiosos , sugerir espaços  de diversão , são  algumas atitudes das famílias neste momento. Dar atenção aos interesses da criança e mostrar que existem espaços desconhecidos que poderão ser mágicos . Quando o adulto convida  para um passeio,  uma diversão , deve estar cuidadosamente atento que esta escolha mostre a sua criança o quanto este adulto conhece seus desejos e interesses. È  frustrante quando a família ,ao escolher o passeio, não leva em conta  o prazer da criança, mas sim o espaço que será prazeroso para ele, o adulto. A cooperação e o acompanhamento ao desenvolvimento que nos referimos acima, diz respeito aos espaços de diversão  desta criança, momento nos quais serão desvendados os valores, os limites, os temores, os conflitos  com os  quais conviveu na escola, no controle, nas normas, nas descobertas e na descoberta das  diferenças naquele espaço; e  serão apresentados  para que a Família acompanhe sua criança na construção dos valores  sócio-afetivos.
Algumas famílias recebem as férias como momento de sacrifício e lamentam que as crianças não estarão na escola, diariamente, por algumas horas . Pense bem : como qualquer pessoa, na possibilidade de estar com o outro, ficasse evidenciando ser este um momento e “trabalho” e “cansaço”. A falta de afeto  decepciona a criança, a falta de atenção a isola e afasta, esconde seus pensamentos, questiona sua  auto estima e provoca comportamentos confusos e incoerentes. Algumas se agitam e “aprontam situações que chamam a atenção e provocam punições ( ao menos a atenção pela punição!....). Outras se evadem incapazes de demonstrar seus sentimentos, se “fecham, se escondem por detrás do computador  ou do vídeo game, ou....Em ambas reações, poderão ser prezas fáceis na adolescência.
Sabemos da realidade  das famílias ,do período de  férias das crianças , que não coincidem com as férias dos adultos , sabemos da falta de dinheiro para diferentes passeios , sabemos do tempo reduzido e do cansaço.... mas é de qualidade e atenção que falamos.... é na evidência prazerosa de que a criança está de férias, bem merecidas , um tempo de descanso , e dentro da realidade de cada família o planejamento  feliz  deste período  Se não há como viajar  a outros lugares, haverá como viajar em leituras ou contação de  estórias, se não há como comprar ingressos , há de se divertir na pracinha , no campo ou na visita a um alguém muito querido. se não há como descobrir novos espaços , há de se descobrir novas idéias  com conversas  e diálogos, espaços de conhecimento do pensar, da criança , e na sua leitura de mundo, do que esta aprendendo a conhecer. O importante é intensificar os momentos  de estar juntos , mesmo o momento único de colocá-los na cama , para dormir... e ouvir sobre seu dia , seus brinquedos seus desejos, de amanhã..... Intensificar porque eles devem acontecer mesmo que não estejam de férias ....mas nas férias, serem premiados pela presença e pela importância de um período de folga, diante de tantas cobranças que o cotidiano disciplinar envolve desde cedo, os direitos  à escolha de momentos prazerosos ....de não fazendo nada, tudo poder fazer....
( PROF. Ângela Paiva, Pedagoga,Orientadora Educacional,Secretária da ASFOE e Diretora  da NUFEP)
 

Usuários Online

Nós temos 3 visitantes online

Parceiros

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner